Blogue da Biblioteca Escolar da Escola Básica Ferreira de Castro - Sintra

Aqui partilhamos tudo o que acontece na nossa Biblioteca.

28 maio, 2018

Pintores e leitores



Cada aluno da turma E do 9º ano fez na disciplina de História um trabalho de pesquisa sobre um pintor do século XIX ou XX, versando aspetos como enquadramento histórico e artístico, obras concretizadas e estudo em pormenor de um quadro do pintor

Para a realização deste trabalho que deverá culminar numa apresentação à turma, os alunos recorreram aos recursos que a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro colocou ao seu dispor.







Entretanto a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro organizou para a semana da leitura uma exposição de reprodução de quadros de pintores do século XIX e XX, sujeito ao tema Pintores e Leitores.



Os alunos da turma E do 9º ano aplicaram os seus conhecimentos aos quadros expostos pela Biblioteca Escolar, e prepararam uma visita guiada para 4 turmas de 6º ano e uma turma de 7º ano. Esta aula dada por alunos e em espaço preparado pela Biblioteca Escolar foi integrada nos conteúdos de Educação Visual na abordagem sobre intencionalidade comunicativa em diferentes géneros e formatos.




Vários foram os pintores que os alunos puderam conhecer desde Pierre Auguste Renoir, Paul Cézanne, Vincent van Gogh, Henri Matisse, Marc Chagall ou ainda Paul Cézanne ou Pablo Picasso, entre outros. Dos pintores portugueses puderam contactar com obras de José Malhoa, José de Almada Negreiros ou ainda Paula Rego.




Com a inclusão da disciplina de inglês de 7º ano, todo este trabalho permitiu a participação num projeto da comunidade eTwinning , Projeto - Once Upon a Painting…. Neste projeto surge a criação de uma plataforma com professores e alunos da Ucrânia, Polónia, Espanha e Portugal, e é criada uma galeria com quadros dos três países e é construído em inglês um jogo Quizizz com três descrições de cada quadro em que só uma é a verdadeira.

A literacia visual, a história de arte, o inglês e as tecnologias de informação e comunicação, andaram de mãos dadas com alunos de de 6º, 7º e 9º anos.

23 maio, 2018

Terra Nativa


No passado dia 22 de maio a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro teve o prazer de proporcionar à comunidade educativa, a conferência proferida pela Doutora Ana Cristina Carvalho sobre a Natureza e Paisagem Humanizada na escrita de Ferreira de Castro. Nada mais a propósito desta Biblioteca Escolar e do agrupamento a que pertence, que uma excelente apresentação sobre Ferreira de Castro numa perspectiva inovadora.



Tivemos como apresentador da oradora e seu trabalho, a grata presença do diretor do Museu Ferreira de Castro em Sintra, o Dr. Ricardo Alves, que para além de grande especialista da obra de Ferreira de Castro, é um entusiasta da relação do museu com os alunos e professores das nossas escolas.


Foi uma conferência de grande valor para as dezenas de  professores presentes que puderam perceber como a obra de Ferreira de Castro para além de integração curricular ao nível da literatura, pode ser explorado ao nível curricular  pela Biologia, Geografia, História, entre outras disciplinas.

Terra Nativa –
Ana Cristina Carvalho

RESUMO

Esta investigação visou contribuir para o estudo da permeabilidade entre Ciência e Arte, explorando, nomeadamente, o diálogo frutífero entre a Ecologia clássica, a Ecologia Humana e a Literatura Portuguesa.
Recorreu-se a uma metodologia híbrida que integrou métodos e fontes das Ciências do Ambiente, das Ciências Sociais e da Análise Literária, cujos graus de objetividade variam entre si.
O objetivo geral foi analisar a representação literária da Natureza e do vínculo de interdependência que o ser humano estabelece com ela na obra de Ferreira de Castro, e determinar em que medida essa representação irradiou da personalidade e da ideologia do escritor, assim como da sua experiência de vida em diferentes ambientes geográficos.
Para tal, numa primeira fase construiu-se uma “Ecobiografia” castriana, que averigua a sua conceção pessoal sobre a Natureza, com base em 140 textos castrianos não ficcionais. Uma segunda fase dedicou-se à ecocrítica de quatro textos de ficção com cenários em áreas rurais de Portugal continental, escritos entre 1928 e 1947: Emigrantes (1928), “O Natal em Ossela” (1933), Terra Fria (1934) e A Lã e a Neve (1947).
Defende-se que, num tempo anterior ao movimento ecológico português, esses textos continham já um significativo teor eco-humano. Apresentam, por isso, um grande potencial de difusão do ambiente biofísico e das modalidades relacionais que o ser humano instituiu com a terra numa época, revelando-se um valioso contributo para a História Ambiental do território português.
Esta função extra-artística projeta-se nas gerações leitoras do presente e do futuro e pode atuar em benefício da consciência ambiental e de cidadania neste século XXI. Razão por que é devido à obra castriana um novo lugar na Cultura portuguesa, mais além e mais amplo que a sua aplaudida dimensão literária.

Ana Cristina L. M. de Carvalho é natural de Lisboa, onde nasceu em 1961, e reside no concelho de Sintra.
É Engenheira do ambiente, licenciada pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.
Em 1986 ingressou nos serviços centrais do então Serviço Nacional de Parques, Reservas e Conservação da Natureza (hoje Instituto da Conservação da Natureza e Florestas), onde durante 12 anos trabalhou em equipas multidisciplinares na área da informação e divulgação ambientais e na temática geral das áreas protegidas.
Em 1997 transitou para o Parque Natural de Sintra-Cascais, onde ficou até 2009, tendo aí coordenado vários grupos de trabalho e o Setor de Informação e Educação Ambiental.
É Mestre em Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, com uma tese sobre a Vulnerabilidade Humana às Alterações Climáticas.
Em 2015 doutorou-se em Ecologia Humana na mesma universidade, apoiada por uma bolsa da Fundação para a Ciência e Tecnologia, com uma investigação sobre a simbiose entre Literatura e Ecologia, concretamente na obra canónica ficcional de Ferreira de Castro.
Investigadora do CICSNova – Centro de Estudos Interdisciplinares da Universidade Nova de Lisboa, desde 2009 que é professora auxiliar convidada da cadeira de Sociologia do Desenvolvimento e Sustentabilidade do Departamento de Sociologia.

04 maio, 2018

Motivar para a leitura e escrita


Na função de promover a formação de docentes, a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro promoveu uma ação de formação de curta duração, apresentada pela professora Rita Zurrapa, no dia 3 de maio.

A escrita e a leitura são competências que os alunos devem dominar, contudo nem sempre estão motivados para o fazer.  A ação pretende sensibilizar os professores para a utilização de ferramentas que ajudam os alunos a escrever e a ler, utilizando ferramentas online. As ferramentas apresentadas permitem que os professores promovam atividades motivadoras para os alunos desenvolverem as competências da escrita e leitura.


Intitulada Motivar para a leitura e escrita, esta ação pretendeu sensibilizar os professores para a utilização de ferramentas que ajudam os alunos a escrever e a ler, utilizando ferramentas online. As ferramentas apresentadas permitem que os professores promovam atividades motivadoras para os alunos desenvolverem as competências da escrita e leitura.
Este encontro teve como objetivos os seguintes:
• Promover a autonomia nos alunos através da utilização de algumas ferramentas apresentadas aos professores.
• Sensibilizar para a importância de utilizar os equipamentos que os alunos têm e utilizam.
• Inovar práticas pedagógicas
• Promover o conceito BYOD (Bring your own device)
• Promover o trabalho autónomo dos alunos;
• Promover a reflexão sobre as práticas de ensino;
• Explorar as competências do século XXI;
• Promover a utilização das TIC em contexto educativo;
•  Promover a utilização de ferramentas que rentabilizem o trabalho dos professores;
•  Apresentar ferramentas disponíveis online que ajudam os professores a motivar os alunos a escrever e a ler.

As Ferramentas proposta para apresentação e prática foram: Google Drive; Meetingwords, Padlet; Twitter; Tricider; Todaysmeet, Flipgrid, Audacity
1.Apresentação de exemplos de recursos.
2.Exemplificação de algumas ferramentas que podem ser utilizadas.
3.Apresentação e prática de algumas ferramentas.

21 abril, 2018

eTwinning – A comunidade de escolas da Europa


A necessidade de alargar o conhecimento dos docentes do Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro em relação à comunidade eTwinning, foi a motivação da Biblioteca Escolar Ferreira de Castro na promoção da formação docente dada pela professora Rita Zurrapa, no passado dia 19 de abril. A plataforma dá acesso a um espaço no qual os professores podem comunicar, colaborar, partilhar e desenvolver projetos com outros agentes educativos europeus, através do recurso às tecnologias da informação e comunicação.
Esta ação pretendeu mostrar de forma sumária as potencialidades da plataforma eTwinning.

Objetivos:

•Promover o espírito de cidadania Europeia;
•Promover o trabalho colaborativo entre professores e alunos;
•Promover a reflexão sobre as práticas de ensino;
•Explorar de forma integrada o eTwinning e as competências do século XXI;
•Promover a utilização das TIC em contexto educativo;
•Promover a realização de projetos colaborativos;
•Adquirir conhecimentos que permitam explorar a Plataforma eTwinning.

Esta ação pretendeu mostrar de forma sumária as potencialidades da plataforma eTwinning.
1.O eTwinning e as competências do Século XXI
2.O Portal eTwinning
3.eTwinning Live
a.Desenvolvimento Pessoal e Profissional – Oportunidades na comunidade
i.Eventos e Grupos eTwinning
b.Realização Projetos colaborativos
i.Passos para um projeto eTwinning
ii.Twinspace – Espaço comum de trabalho
iii. Ferramentas de colaboração e partilha