Lê a nossa página e vê o que fazemos!

18 fevereiro, 2017

Atelier Conta Gotas



Dia 17 de fevereiro a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro organizou na Escola EB1 nº 1 de Mem Martins do agrupamento, um atelier de contador de histórias intitulado Conta-Gotas, patrocinado pelo SMAS de Sintra. Os alunos e professores tiveram o privilégio de assistir à excelente contadora de histórias Ana Sofia Pereira, cuja expressividade, criatividade, empatia com o público, transportaram cerca de duzentos alunos à magia das palavras. Histórias de encantar e de mistério, misturaram personagens fantásticas às forças da natureza. Em todas as sessões vimos chover, o sol brilhar, o arco-íris encantar, a terra tremer, Reis, Rainhas e Princesas, lobos, tartarugas e pintainhos, castelos e montanhas. Foi mágico.

23 janeiro, 2017

Clube de Leitura:Os Meus Problemas




No passado dia 20 de janeiro reunido o Clube de Leitura da Biblioteca Escolar Ferreira de Castro, foi tema de debate o perfil do povo português através da obra de Miguel Esteves Cardoso, Os meus Problemas. O humor acutilante acompanhado por um realismo de observação sociológica, caracterizaram pormenores e por maiores da personalidade coletiva dos portugueses.


"Miguel Esteves Cardoso foi um jornalista que durante os anos 80 e início dos anos 90, teve uma voz ativa na vida social portuguesa, quer enquanto simples cronista do “Expresso” e “Público”, quer mesmo, enquanto membro permanente na “Noite da Má Língua”, onde ele e uns tantos batiam e evidenciam vários “podres” da nossa sociedade.
Dono de uma forma de se expressar extremamente mordaz mas bem objectiva, Esteves Cardoso era bastante corrosivo na forma como elaborava as suas análises, quer aquelas proferidas no programa de tv, quer as outras que foi escrevendo para os jornais.
E são precisamente algumas dessas crónicas, nomeadamente algumas publicadas no “Expresso” entre 1986 e 1987, numa coluna chamada “Os meus problemas”, que compõe este livro que tem tanto de brilhante como de hilariante.
Assim, este livro é simplesmente um conjunto de crónicas onde Esteves Cardoso opina sobre a forma de estar, ver e agir do povo português, evidenciando as suas mais carismáticas manias e fobias, sempre num tom irónico e mordaz.
Começando por “Cartas portuguesas”, as “classes automóveis”, “libertação dos maridos”, “a fogueira do ciúme”, “adeus, ó tchau, vai-te embora”, enfim, acreditem é dos livros mais hilariantes e ao mesmo tempo, um livro que toca em vários defeitos do povo português. Pese embora as distâncias, um género de Woody Allen.
E é curioso constatar que não é necessário escrever-se livros sérios, estudos filosóficos do “ser português”, pois qualquer um em a capacidade de análise e de formar opinião, no entanto, Miguel Esteves Cardoso demonstra uma capacidade de análise que vai além dessa simplicidade, ele, para além de evidenciar alguns dos “nossos” defeitos, demonstra o quão ridículo e caricata são muitas das situações que se sucedem dia após dia e, mais importante, a gravidade e importância que se dão a essas situações."

12 dezembro, 2016

Hora do Código





A biblioteca escolar da escola Ferreira de Castro participou na  «Hora do Código» que é  um movimento global de Programação, que atinge dezenas de milhões de alunos em mais de 180 países.
A atividade «Hora do Código Portugal», envolve os domínios «raciocínio matemático, abstração e representação espacial» transdisciplinar a todas as disciplinas curriculares. Decorreu online entre os dias cinco e onze de dezembro, e consistia em representar o Agrupamento, por ciclo, resolvendo doze tarefas gamificadas, ou seja, criar código visual, onde cada bloco representa uma ação ou ações algorítmicas. Com esta atividade os alunos tiveram uma primeira abordagem sobre programação, criando e otimizando sequências de instruções finitas - algoritmo, que culminam na consecução de um jogo.
         Salienta-se o empenho e o prazer de todos os alunos em resolver todas as tarefas que gradualmente se foram complicando, aumentando o seu grau de dificuldade.

         Quanto à avaliação da atividade todos os alunos conseguiram resolver até à oitava tarefa, do terceiro ciclo, salientando-se o aluno número vinte e seis, Pedro Pires, do 8º D e o aluno número vinte e um, Vladislav Kushniryna, do 8º G, que completaram todas as tarefas em cerca de quarenta minutos, tendo ainda otimizado todo o código.  A estes alunos foi-lhes atribuído um diploma de participação e mérito criado para o efeito.





08 dezembro, 2016

Introdução à Filosofia



        A Biblioteca Escolar Ferreira de Castro e o seu Projeto Saber Mais, pelo quinto ano consecutivo têm o prazer de receber o professor António Narciso da Escola Secundária Leal da Câmara para uma introdução à filosofia para cerca de trinta alunos de nono ano. Este ano o tema foi o Mito de Narciso em que os alunos puderam ser confrontados com as inquietações do pensamento filosófico no entendimento das relações humanas e do mundo. Em o Mito de Narciso, o amor por si mesmo libertado pelo auto conhecimento e pela capacidade de conhecer os outros, levou os alunos a confrontarem-se com valores como o altruísmo, a aceitação da diferença, em oposição ao egoísmo, vaidade, indiferença.




A(prenda) com poesia



A Biblioteca da Escola Ferreira de Castro celebrou o Natal através da partilha de poesia portuguesa sobre esta quadra. Turmas de 6º e 7º ano assistiram e debateram poesia declamada por alunos de turmas de 9º ano, do Clube de Leitura ao ar livre e do Clube de Teatro. A festa, o consumismo, a fé, as tradições, os valores natalícios, foram alguns dos temas trabalhados através da poesia portuguesa.





07 dezembro, 2016

Lendas de Sintra com Miguel Boim



No passado dia seis de dezembro a Biblioteca Escolar Ferreira de Castro recebeu Miguel Boim com o apoio da Câmara Municipal de Sintra. Alunos e professores viajaram pela Sintra lendária pela mão do seu caminheiro, penetrando no misterioso monte da lua. Histórias, pedras e edifícios, misturam-se com personagens míticas e reais que povoam as sombras da serra de Sintra. Cento e sete alunos de sétimos e oitavos anos, imaginaram outros tempos e outras gentes por entre lendas da Sintra fantástica.









06 dezembro, 2016

Portugal Português: Ramirez e a indústria conserveira portuguesa


          A Biblioteca Ferreira de Castro, através do seu Projeto Saber Mais e da sua rubrica Portugal Português, dinamizou com patrocínio, uma exposição sobre a marca portuguesa Ramirez que representa a mais antiga fábrica de conservas do mundo em laboração e que nasceu em 1853. Esta exposição destinou-se a ser explorada pelas disciplinas de História e Geografia de 9º ano, servindo de mote ao estudo da industrialização de Portugal desde o século XIX, ao desenvolvimento das atividades piscatória e conserveira nacional, aos métodos de laboração e direitos dos trabalhadores ao longo dos tempos, à economia nacional e seus produtos de exportação, aos recursos naturais e sua exploração, à evolução dos designes da marca e sua publicidade, etc. A marca Ramirez, presente em cinco continentes com mais de quinze marcas próprias, inicia em 2007 uma aposta no segmento da alimentação saudável, o que nos remete também para o currículo de Ciências Naturais. Em 2010 a Ramirez torna-se cofundadora do Hiper-Cluster do Mar Português, um projeto de revitalização das atividades ligadas à economia do mar.Ainda neste ano, a Ramirez obtém o eco rótulo azul MSC do Marine Stewardship Council, que confere à pesca de cerco da sardinha portuguesa um certificado de sustentabilidade ambiental, e tornou-se na primeira empresa do sector em Portugal a ser homologada pela Moody’s. Deste modo todos os alunos de 9º ano puderam aplicar as aprendizagens do currículo a um estudo de caso de marca de sucesso nacional.










Para além da visita à exposição organizada pelo Projeto Saber Mais e Biblioteca Escolar, cerca de cento e vinte alunos puderam assistir a uma palestra sobre a história e atualidade da empresa Ramirez, apresentada pela Dr.ª Joana Queiroz, diretora de marketing da marca.