Lê a nossa página e vê o que fazemos!

05 Março, 2014

Como Gosto da Natureza

Como gosto da natureza…
Dos campos repletos de ouro,
Das espigas a balouçar
As papoilas e um besouro
Brincam sem se fartar!

Como gosto da natureza…
Do azul imenso do mar,
Toca o céu no horizonte.
Mais as ondas a embalar
Aquele barco ali defronte!

Como gosto da natureza…
Das praias, dos jardins, das serras,
Tudo me enche o coração!
As flores, as brisas, as terras
São maravilhosas, não são?

Poema vencedor do Concurso "Faça Lá Um Poema", 2º Ciclo
Pedro Lopes, 5º Ano nº 22, EB 2,3 Ferreira de Castro

As Quatro Estações

Na florida primavera
Eu passeio e apanho flores
Com a minha amiga Vera.

E no calor do verão
Fui nadar e jogar à bola
Com o meu amigo João.

No ventoso outono
Caem as folhas e os campos
Ficam ao abandono.

No frio do inverno
Eu não saio de casa
E fico no colo materno.

Poema vencedor do Concurso Faça Lá Um Poema", 1º Ciclo
Sofia Nogueira Nunes, 2º Ano A, nº 23, EB1/JI de Ouressa

28 Fevereiro, 2014

Faça Lá um Poema

Mais uma vez, a nossa Biblioteca participa no concurso "Faça lá um Poema".
Cerca de 50 alunos apresentaram os seus trabalhos. Um júri selecionou os melhores poemas, por ciclo de escolaridade. Os vencedores foram:

1º ciclo: Sofia Nogueira Nunes, 2º ano, turma A, nº 23, As Quatro Estações;
2º ciclo:  Pedro Lopes, 5º Ano, Turma A, nº 22, Como Gosto da Natureza;
3º ciclo: Daniela Jankovic, 9º Ano, Turma C, Pequenos Detalhes.

26 Fevereiro, 2014

Livros-objeto


Já leram livros que são também objetos do quotidiano?

No dia 21 de fevereiro, as turmas do 7º A, 8º D e F tiveram oportunidade de conversar com o escritor Richard Towers, autor destas obras. Os alunos puderam também ler e comentar algumas passagens das obras, ao som da viola, dedilhada pelo próprio escritor.
Foi muito bom e interessante.






20 Fevereiro, 2014

Semana da Internet Mais Segura









Realizou-se a Semana da Internet Segura nas várias escolas do agrupamento. Os alunos viram pequenos filmes seguidos de debate e realizou-se também uma palestra, cujo orador foi o sr. Jorge Duque, Inspetor da Polícia Judiciária e onde os pais também estiveram presentes.




05 Fevereiro, 2014

Pequenos Detalhes

Talvez seja apenas o toque suave do amanhecer,
Ou o bater revoltado porém relaxante das ondas do mar,
Talvez seja o facto de tudo à minha volta crescer,
E eu estar presa no mesmo lugar;

Tudo me deixa inquieta,
E tudo me deixa com vontade de voar,
Voar num sentido diferente,
Voar no sentido de fugir,
Voar no sentido de escapar;

Gostava de controlar esta vontade
De ir para longe, onde apenas o amanhecer ficará,
O amanhecer e o vento,
O vento e o mar,
O mar e a Terra,
Estes os únicos incapazes de me torturar;

Todos à minha volta exigem mais,
Mas ninguém tenta pôr-se no meu lugar;

A tranquilidade do sol, faz-me mergulhar,
Mergulhar no meu próprio paraíso,
Onde apenas fico eu e o magnifico rebentar das ondas
Não posso pedir mais,
Porque um pouco de paz é tudo o que eu preciso;

Às vezes é mais do que apenas difícil,
Quando todos te deixam para trás
Por mais que tu supliques por nada mais que uma mão amiga,
Pronta para te ajudar;

Talvez não seja a dor constante que se apodera de mim,
Mas a falta dela no resto das pessoas,
Esta insensibilidade do mundo
Magoa-nos a todos mutuamente;

Estou farta de me refugiar nas minhas palavras secretas,
O meu caderno parece ser a minha droga,
Mas já me faltam poucas páginas por escrever,
Por mais que aperte a letra, sei que não vai caber,
Outro facto que me apavora;

Continuo sozinha por agora,
E parece eterno,
Todos os que me amam estão fora,
Longe deste inferno;

Volto a caminhar pelas praias desertas,
Apaixono-me mais uma vez pelo som suave do mar,
Sinto-me mais acompanhada quando o vento me persegue,
Pela primeira vez não há rochas que me façam tropeçar;

Personalizo tudo na minha mente,
Não crio um sítio perfeito,
Apenas imagino outro meio ambiente;

Passam borboletas coloridas por mim,
Fazem-me perguntar como é que existem seres tão belos,
Irregulares e diferentes,
Mas tão inocentes e pequenos;

Diferentes da sociedade,
Que é grande e assustadora,
Livres das discriminações,
E ameaças do mundo de agora;

Sinto uma pontada de inveja a correr-me pelo sangue,
Quando penso na liberdade delas,
Podem voar para onde querem,
Podem voar para terras paralelas,

Sem ninguém para as impedir,
Sem ninguém a tentar detê-las,
Como me acontece a mim,
Quando tento distanciar-me desta guerra entre feras;

De monstros, de destruidores da Natureza,
É do que este planeta está coberto,
De pessoas que não pensam primeiro,
Antes de acabar com tudo o que encontram por perto,

Sento-me no meio da areia branca,
Evito pensar mais no assunto,
Mas continua a incomodar-me,
Como é que alguém é capaz de destruir algo tão puro?

Deixo os meus dedos traçar linhas entre as pedras minúsculas,
É tão valioso, é tão magnífico,
As diferentes cores de cada grãozinho de areia,
As diferentes texturas e tamanhos;

Não há nada que eu possa fazer,
Nada que eu possa pedir,
Não posso apenas por tudo de parte
E gastar o meu tempo a discutir;

Não pela falta de vontade,
Mas pelo facto de ninguém me ouvir,
Ignorar é pior que odiar na minha opinião,
Ignorar é ferir;

O brilhar do Sol ofusca-me a visão,
É tão forte, tão poderoso,
Será que mais ninguém vê o que eu vejo?
Têm de ver,
Não há maneira de evitar olhar para algo tão precioso;

Chegou como chegava sempre,
A hora do fim;

Isto era o exemplo duma tarde agradável,
No meu entender,
Eu gosto do calmo, do simples,
Dos pequenos detalhes, impossíveis de esquecer;

Pequenos detalhes como as pequenas diferenças,
Nas asas das borboletas,
Ou as diferentes intensidades do vento;

As minhas mãos tremiam,
Não por mim mas pelo meu lar,
Porque esta praia deserta,
Era onde eu me sentia bem, onde eu queria estar;

A caminho de casa senti um vento frio,
Vesti o casaco mas não passou,
Não ia passar;

Havia pessoas cruéis, e más;
E agora não me referia aos ladrões ou assassinos,
Referia-me a todos,
Todos eramos no fundo, uns criminosos;

Crime era tratar o nosso planeta assim,
Crime era ignorar todos estes factos,
Crime era não ver os pequenos detalhes,
E não lutar para os manter intactos.

 Poema vencedor do Concurso "Faça Lá Um Poema", 3º Ciclo, 
Daniela Jankovic, 9ºAno,Turma C, Nº 8, Escola B2,3 Ferreira de Castro



27 Janeiro, 2014

Maria Teresa Maia Gonzalez

A escritora Maria Teresa Maia Gonzalez esteve na nossa Biblioteca, onde pode trabalhar com algumas turmas do 7º ano. Muito agradecemos a sua presença e o bom trabalho e participação dos nossos alunos.

Aqui estão as fotos dessa atividade.